20 de agosto de 2012

Capítulo 3 - Lágrimas

Reações: 
2 Anjinhas me deram motivos pra sorrir

Levantei e fui até Justin para ajuda-lo. Os caras me empurraram de novo, mais eu não cai.Desesperada, começei a bater neles, tentando fazer com que paracem de machucar Justin. Começei a gritar apavorada, com medo de que o matassem.

Eu:O que estão fazendo? - espremi os olhos rapidamente
Xx:Ele nos prejudicou, e está pagando pelo que fez.
Eu:O que ele fez? - ficaram todos em silêncio - O que ele fez? - aumentei a voz.
Xx:Quem é você?
Eu:Não interessa, idiota. - empurrei-o
Xx:Ele está do jeito que nos deixou.
Eu:Quem são vocês, me diz. - hesitaram e foram embora, me deixando totalmente confusa. - Volta, droga! - gritei, correndo até Justin. - Justin. - peguei por traz da cabeça dele e a levantei. - Fala comigo. - Justin não se movia. - Por favor, Justin. - Nick chegou correndo e se abaixou ao meu lado
Nick:O que aconteceu? - me abraçou
Eu:Não sei. - coloquei uma das minha mãos nos meus olhos.
Nick:Sel, calma. Ele vai acordar.

Chegou uma ambulância, 2 homens sairam com uma maca e deitaram Justin nela. Levaram-o para a ambulância e saíram rapidamente. Me levantei e Nick se levantou junto comigo. Abracei-o forte e não o largava. Tudo que eu precisava naquele momento era de um abraço bem apertado, pois só isso iria me acalmar.

Nick:Sel, me conta o que aconteceu. - separou o abraço e me sentou num banco.
Eu:Eu não aguento. - respirei fundo e limpei minhas lágrimas - Eles começaram a bater no Justin, parecia que queriam matá-lo, mais eu acho que isso que aconteceria se eu não tivesse impedido.
Nick:Sel, ele vai acordar, ele não vai morrer.
Eu:Como pode ter certeza disso? - peguei na mão dele.
Nick:Porque acredito.
Eu:Não acredito.
Nick:Selena, ele vai acordar.
Eu:Tá! Vou tentar acreditar.

Meu celular tocou e o peguei rápido da minha bolsa. Olhei no identificador de chamada e era minha mãe.

Ligação

Mãe:Filha, por favor, vem correndo pra casa. - com voz de choro
Eu:Mas por que? O Justin está no hospital e... - eu resmunguei de repente, sentindo um aperto no peito
Mãe:Selena, o que foi?
Selena:Tô indo.

Ligação

Desliguei o celular e joguei no chão. Limpei as lágrimas que restavam no meu rosto e saí correndo para casa. Nick me seguiu.

Nick:Para de correr, e me diz aonde está indo?
Eu:Pra casa. - parei de correr
Nick:Por que?
Mãe:Eu vou desobri agora. Só que você tem que me deixar ir.
Nick:Tudo bem.

Começei a correr denovo. Faltando apenas 10 passos para chegar em casa, olhei para o lado e vi a policia olhando no ribeirão que tinha ao lado de minha casa. Olhei para o outro lado e vi minha mãe desesperada nos braços do meu vizinho. Imaginei mil coisas naquele momento, e então fui correndo até minha mãe.

Eu:Mãe, o que foi?
Mãe:BRIAN. - gritou olhando para o outro lado da rua.
Eu:Luke, o que aconteceu? - falei com o meu vizinho
Luke:Brian sofreu um acidente.

Atravessei desesperada, vendo apenas o que tinha na minha frente. Escutei um dos policiais falando que Brian capotou e caiu ali. Tentei ir até Brian, mas um policial me segurou e me levou para minha casa. Eu me debatia, e o policial apertava ainda mais os meus braços.

Eu:O que aconteceu? - empurrei com força o policial
Xx:Selena, nao é?
Eu:Sim
Xx:Seu pai é Brian?
Eu:É, meu pai é Brian.
Xx:Eu sinto muito.
Eu:Por quê? - começei a chorar
Xx:Seu pai está sendo levado para o hospital. Parece que ele estava em alta velocidade. Pelo que eu sei... - interrompi
Eu:Como assim, "pelo que eu sei"? Você é um policial, tinha que saber de tudo.
Xx:Um cachorro atravessou a rua, seu pai foi desviar e saiu rolando até lá embaixo, no rio.
Eu:Um cachorro?
Xx:Pelo que sua mãe disse, Brian sempre foi protetor dos animais.
Eu:Deixa eu vê-lo.
Xx:Vou levá-la até o hospital. Mas sua mãe não pode saber.
Eu:Ela não quer que eu vá? - coloquei meu cabelo atrás da orelha
Xx:O acidente do seu pai foi grave. Sua mãe acha que você não vai aguentar a pressão.
Eu:Tá. Eu não falo. Mas, por favor, me deixa vê-lo?
Xx:Vamos para o carro.

Saí rápido e entrei no parte de trás do camburão. Chegamos no hospital e eu saí correndo no hospital. Fui até a secretaria.

Xx:Posso ajudar?
Eu:Queria visitar um paciente recente.
Xx:Bom, não sei qual é o caso, mas se é recente acho que não vai poder entrar.
Eu:Pode verificar? - trinquei os dentes, impaciente
Xx:O paciente mais recente foi Brian.
Eu:Este mesmo. - mordi a unha
Xx:Ele chegou faz apenas 15 minutos.
Eu:Vai demorar para eu poder vê-lo?
Xx:Provavelmente só daqui a umas 3 horas.
Eu:Eu preciso saber como ele estar.
Xx:Sente-se e logo o médico trará notícias

Sentei e angustiada levantei. Andei de um lado para o outro sem parar. Eu estava nervosa e impaciente. Fui novamente a secretaria

Eu:Estou esperando a 30 minutos e nada do médico aparecer.
Xx:Só um minuto. - pegou o telefone. - Ele está ocupado, provavelmente cuidando do seu...
Eu:Meu pai. E eu não quero saber de quem ele está cuidando, só quero que ele me libere para eu poder falar com meu pai.
Xx:Entendo o seu desespero.
Eu:Você não entende. Não é o seu pai que sofreu um acidente. Não é você que está sem nenhma notícia.
Xx:Eu já passei por isso, senhorita.
Eu:Não tente me acalmar, minha senhora. - aumentei o tom de voz
Xx:Isso é um hospital, peço que a senhora fale mais baixo.
Eu:E eu peço que me deixe entrar. - continuei elevando minha voz
Xx:Senhorita, peço mais uma vez que abaixe o seu tom ou vou ter que chamar a segurança.
Eu:Chama quem você quiser. Chama o Obama, chama o papa. Apenas me deixe entrar.
Xx:Vou pedir que a senhora se retire da secretaria.
Eu:Presta bem a atenção. - apontei o dedo para ela - Eu não estou em um parque de diversão, então eu não estou brincando.
Xx:Senhorita, vou fazer o melhor que eu posso. Vou no quarto onde está o seu pai e vou perguntar quando poderá vê-lo.
Eu:Por favor. - trinquei novamente os dentes

Ela entrou na sala onde estava os quartos. Me apoiei no balcão e começei a chorar. A senhora que estava me atendendo voltou sorrindo e se apoiou no balcão ao meu lado.

Xx:Sei o que você está sentindo.
Eu:Não sabe, não. - abaixei a cabeça e discretamente limpei as lágrimas.
Xx:Não precisa esconder.
Eu:Eu passei minha vida inteira julgando-o. - coloquei minha mão sobre meu rosto e chorei
Xx:Aconteceu o mesmo comigo. Eu dizia para o meu pai que o odiava. Depois que ele se foi, começei a dar valor pra ele. - falou com voz de choro.
Eu:Eu não quero nem pensar nisso. Nunca.
Xx:É a vida. - espremeu os olhos - Eu me chamo Daniella.
Eu:Sou Selena. - coçei discretamente meu nariz
Dani:Você pode ve-lo. - minha mãe chegou - vou voltar para o meu trabalho.
Mãe:Oh, filha! -  correu e me abraçou.
Eu:Estou bem, mãe. - separei o abraço - estou liberada para visita-lo
Mãe:Posso ir primeiro? - pegou na minha mão.
Eu:Tá bem. Vai. - me deu um beijo e foi correndo. - vou ficar esperando. - me sentei e logo depois de 5 minutos minha mãe voltou limpando as lágrimas - Ele tá bem?
Mãe:Está inconciente.

Cheguei no quarto e me aproximei de Brian. Acariciei a cabeça dele. De repente, estava chorando. Não sabia porque, mas sabia o que estava acontecendo com Brian, que estava em coma. Meu pai abriu os olhos e pegou minha mão. Eu fiquei sem ação. Brian tentou falar, mas não conseguiu. Começei a suar frio. Meu pai apertou minha mão e chorou. Limpei minhas lágrimas e as dele. O meu mundo desabou, pois eu vi o que eu nunca achei que fosse ver, Brian sussurrando pra mim "Eu te amo". Respondi com toda a alegria do mundo para ele, "Também te amo, pai". Meu pai sorriu, fechou os olhos e soltou minha mão. Apitou a máquina que estava medindo os batimentos do coração dele. A única coisa que eu pensei naquele momento, era que eu tinha acabado de perder a pessoa que eu mais despresei, sem pedir perdão. Os médicos chegaram correndo com máquinas de reanimar. Começei a chorar desesperadamente e uma médica me puxou pra fora do quarto, mais não lutei contra.

Mãe:Filha, o que foi? - correu e me abraçou forte
Eu:Ele acordou. - minha mãe sorriu
Mãe:E por que você está chorando?
Eu:Porque o coração dele parou. - minha mãe começo a chorar. - Mãe, eu me sinto culpada. - separou o abraço e me sentou no banco.
Mãe:Você não é culpada. - beijou minha testa e me abraçou. - Não se sinta culpada, porque você não é. - eu escutei os soluços e a barriga dela mexendo
Eu:Eu quero voltar no passado, mãe. - separei o abraço e chorei mais - Quero mudar esse presente. Se não fosse nossas brigas, ele não teria brigado com você, e não teria ficado nervoso e não iria lá pra casa, ele não iria correndo e não capotaria. Estaríamos felizes agora, mãe.
Mãe:Não, não pense isso. - limpou minhas lagrimas - Ele se foi porque ele tinha que ir. - pegou minha mão - Eu sei que você o ama. Mas não tem jeito.
Eu:Eu quero pedir perdão. - apertei a mão dela - Quero que os médicos cheguem aqui agora e diga que ele está bem.
Mãe:Desculpa filha. - brotou uma lágrima de seus olhos - Queria te fazer sorrir. - limpou suas lágrimas

Mesmo sabendo que eu tinha meu pai naquele momento, sabia que se eu ficasse sofrendo não ia adiantar de nada. Minha mãe continuou no hospital, se sentou nas cadeiras ao lado da secretaria. Saí do hospital e começei a lembrar de quando vi meu pai falecendo. Não sabia o que fazer, não sabia pra onde ir. Tinha medo de ir até minha casa, medo de passar perto do rio que matou Brian. Fui à casa de Demi, que era a única pessoa que me restava naquele momento. Bati na porta, Demi abriu a porta e me puxou rapidamente pra casa dela. Fechou a porta e correu para me abraçar

Eu:Demi.
Demi:Desculpa. - separou o abraço e sentou-se no sofá
Eu:Por que? - sentei-me ao lado de Demi.
Demi:Por ter te deixado sozinha, por não está do seu lado quando você precisou. Por tudo. - pegou minha mão.
Eu:Aconteceu tanta coisa, amiga. - limpei lágrimas que aindam restavam no meu rosto e voltei a segurar a mão de Demi.
Demi:Me conta? - sorriu
Eu:Eu conheci um garoto, e eu me apaixonei. O Logan voltou e beijei o garoto que me apaixonei. Voltei pra escola, conheci um outro garoto super fofo e beijei ele. Mas não consigo parar de pensar no primeiro garoto.
Demi:E estou confusa. - riu
Eu:Como você pode rir do momento? - chorei
Demi:Como assim? É engraçado.
Eu:Meu pai.
Demi:O que ele fez agora?
Eu:Ele morreu. - desesperei
Demi:Meu Deus, Sel. - me abraçou e começou a chorar
Eu:Eu estou com vergonha de falar dele. Me ajuda. - separei o abraço
Demi:Estamos juntas nessa, tá? - limpou minhas lágrimas.
Eu:Não me deixa sozinha, por favor. - abaixei a cabeça.
Demi:Não vou. Nunca mais.
Eu:Eu queria voltar no passado e consertar tudo
Demi:Consertar o quê? Por que?
Eu:Consertar o que eu fiz, porque se não fosse eu nada disso teria acontecido.
Demi:Sabe o que eu acho?  - fiz beiço - Você tem que viver, e esquecer isso que aconteceu.
Eu:Eu não sei esquecer. - Demi suspirou - Pode dizer que é ridículo, mas é difícil.
Demi:A vida continua, meu amor. - cruzou os braços - Acorda. - bateu palmas - Existe 2 garotos respirando por aí que estão apaixonados por você.
Eu:1 garoto. - fiz gesto de 1 com a mão
Demi:Selly, lembra o que você me disse quando tinhamos 15 anos?

"Demi brigou com uma garota, mais apanhou muito." Lembrei vagamente daquele dia; Demi estava caída no jardim da escola, a ajudei a levantar e Demi saíu correndo à sala de aula, corri atrás dela...

Flashback

Demi:Eu sou uma fraca mesmo. - espremeu seus olhos
Eu:Demi, você não é, você só. - me interrompeu
Demi:Eu apanhei na frente de todos, eu sou uma idiota. Perdi - sentou-se na carteira. - Eu não sei o que fazer. "Tô" com vergonha de sair daqui.
Eu:Demi você não perdeu. Você só não ganhou, fisicamente. Ela te derrubou com a força que ela tem no corpo. E aqui? - bati no meu peito - e aqui? - apontei a minha cabeça. - Ela não tem força, não aqui dentro. - cruzei meus braços. - Ninguem foi feito pra perder. Vamos passar por dificuldades, atropelar obstáculos, mais nós sempre vamos ganhar, um dia vamos vencer. Você pode está com vergonha, mais você vai superar, você "perdeu" algo importante pra você, mas você vai superar. Agora vai lá e arrebenta. - Demi me abraçou rapidamente e sorriu
Demi:É por isso que eu te amo. - sorriu radiante, e saiu nervosa da sala.

Fim

Eu:Eu lembro que você acabou com ela. - sorri disfarçadamente
Demi:Eu quero que você viva, porque a vida continua. Você não se foi com ele, Sel. - sorriu

Continua...

Meninas, eu ameei os comentários. Todas vocês me pediram pra postar rápido pq ficaram ansiosas. Infelizmente, eu vou parar de postar um pouco dos capítulos. Mas não fiquem tristes... Tenho um novo blog, uma nova história. Queria que seguissem e acompanhasse esse blog também, pq é uma historia mt interessante ..  chama "Incontrolável", espero que gostem também.

Kisses,
Mas uma vez, mt obrigado.

8 de junho de 2012

Capítulo 2 - Escola

Reações: 
3 Anjinhas me deram motivos pra sorrir


Logan:Não tem medo de mim?
Eu:Eu achava que você podia me vencer, Logan. Mas não pode. Jamais.
Logan:Você acha que é forte o bastante pra acabar comigo?
Eu:Teoricamente.
Logan:Mesmo?
Eu:Tá me desafiando? - me aproximei dele
Logan:Entenda como quiser.

Logan grudou os lábios nos meus e me segurou com força, enquanto eu tentava separar, Justin voltou e me viu sofrendo nos braços daquele demente e o empurrou.

Logan:Qual é, cara?
Justin:O que pensa que tá fazendo?

Os dois descutiam e eu pensava no Justin, e o que ele fez por mim. Estava no mundo da lua, com meu coração batendo forte e rápido enquanto eu encarava Justin. Eu estava perdidamente apaixonada por ele.

Logan:Selly, o que ele é seu?
Amy:Ele é... - começei a encarar os olhos do Justin - O que você nunca vai ser. - tirei os olhos dele e fixei no Logan
Justin:É... - sorriu envergonhado
Logan:Como? - perguntou confuso

Puxei Justin pra minha frente e dei um beijo leve nele. Me senti nas nuvens. A única pessoa que me fazia tirar os pés do chão era ele. Não conseguia pensar em nada. Justin me abraçou e só escutei os passos do Logan, cada vez mais baixo. Eu saí dos braços de Justin, envergonhada.

Justin:Uau!
Eu:Me desculpa. - me afastei
Justin:Jura?
Eu:Perdi a cabeça por um instante
Justin:Isso foi...
Eu:Bom.
Justin:Valeu.
Eu:Pelo que?
Justin:Consegui o que queria. - deu um sorriso sarcástico
Eu:É tão ridículo.
Justin:Eu? - riu
Eu:Ás vezes.
Justin:Eu queria mudar.
Eu:Não faça isso. Gosto de você do jeito que é.
Justin:Não sei, não.
Eu:Eu pego no seu pé. Confesso.
Justin:Jura? - perguntou irônicamente e sorriu
Eu:Esquece, tá?
Justin:Por quê?
Eu:O ontem não importa mais. Quero focar no futuro. - Justin tentou segurar o riso
Justin:Você me faz feliz.
Eu:Shh.

Segurei o rosto de Justin e fui aproximando lentamente da boca dele. Virei o rosto e beijei a buchecha de Justin. Sai com o passo rápido pensando nele. Cheguei no restaurante e estava fechado, minha mãe não estava lá. Olhei pro outro lado da rua e vi Brian conversando com minha mãe. Atravessei correndo sem olhar pros lados.

Eu:Mãe. - olhei assustada pra ela.
Mãe:Filha, o Brian veio me dar adeus. - falou com voz de choro.
Eu:Mãe, o que está acontecendo? - perguntei preocupada franzindo a testa
Brian:Não importa.
Eu:Eu perguntei pra minha mãe. - minha mãe olhou para o Brian e ele apenas a fitou ameaçador.
Mãe:Eu vou ficar com saudades dele, por isso estou chorando.
Eu:Por que não fala a verdade?
Mãe:Selena, para! Se não acredita em mim o problema é seu. - falou brava com olhos cheios de lágrimas
Brian:Entendeu agora?
Eu:Mãe, eu não acredito em você. Qual é o motivo da mentira?
Mãe:Ok. Se você quer a verdade... - uma lágrima escapou dos olhos dela - Eu vou junto com ele.
Eu:O quê? - perguntei inconformada
Brian:Tá surda?
Eu:Quer parar? - deslizei a mão no rosto
Mãe:Você também.
Eu:Nã... - interrompida.
Mãe:Sim.
Eu:A minha opnião não vale?
Mãe:Não.
Eu:Por que?
Mãe:Selena, você vai e ponto. - olhei para o meu pai, chorando.
Eu:Eu não quero.
Mãe:Temos 5 meses para nos despedir daqui.
Eu:E eu vou ficar sem estudar? - arqueou as sobrancelhas.
Mãe:Não, você vai pra escola. Vou dar um jeito pra gente ir nas férias de primavera.
Eu:Você quer destuir minha vida? - chorei indiscretamente
Mãe:Quero melhorar.
Eu:Pois, pare! Só está piorando!
Mãe:Filha...
Eu:Você foi longe demais dessa vez. - falei com Brian e sai correndo.

Amanheceu. Eu estava indo pra casa da Demi, no caminho cruzei com Justin. Apenas bufei, limpei as lágrimas que caiam dos meus olhos e continuei andando. Justin segurou meu pulso. Puxei o braço e o encarei.

Justin:Hey, Selly. Tudo bem?
Eu:Você acha que está tudo bem? - ele ficou quieto sem fala - Responde, Justin.
Justin:Não.
Eu:Por que a pergunta então?
Justin:Por que está estressada? - fechei os olhos por alguns segundos enquanto lágrimas desciam pelo meu rosto
Eu:Não importa
Justin:Importa sim.
Eu:Justin, só porque a gente se beijou, não quer dizer que eu tenho que te contar tudo.
Justin:Você me beijou.
Eu:Eu só queria afastar o Logan.
Justin:Mais você gostou. - deu um sorriso sarcástico
Eu:Justin, o que aconteceu não tem nada a ver.
Justin:Sel... - interrompido
Eu:Já passou, e não vai acontecer denovo.
Justin:Por que?
Eu:Porque eu não gosto de você. - Justin entristeceu o olhar - A gente não tem nenhuma chance.
Justin:Eu sei. - abaixou a cabeça e limpou discretamente a lágrima que escorreu no rosto dele.
Eu:Justin.
Justin:Não, não precisa falar mais nada. Já entendi tudo.
Eu:O que você entendeu? - levantei levemente o queixo dele
Justin:Você me usou.
Eu:O quê?
Justin:Isso aí. Você me usou pra mandar seu namoradinho idiota embora.
Eu:Não é nada disso.
Justin:É sim.
Eu:Você tem que entender que estou passando por uma fase difícil da minha vida. A minha vida sempre foi difícil mais agora esta pior.
Justin:Por que?
Eu:Porque eu vo... eu... - gaguejei e fiquei sem fala - Grrr.

Saí andando rápido. Quando olhei pra trás vi Justin sentado em um banco, chorando. Senti uma dor no peito e começei a chorar. Eu não tinha mais ninguem naquele momento porque eu afastei todo mundo de mim. Estava me sentindo um monstro aquela hora. Fui à casa de Demi. Peguei o celular e liguei pra ela.

Demi:Alô
Eu:Demi, me deixa entrar.
Demi:Selena?
Eu:É. Sou e... - Demi desligou o telefone

Fui pra casa. Quando cheguei, entrei e deitei no sofá. Dormi por lá mesmo. Acordei no outro dia. Era 7:00 do dia 26 de dezembro. Os dias passavam e eu não queria sair de casa. Só ficava tocando violão, no notebook ou vendo tv. Foi assim até o fim das férias.

2 de fevereiro

Estava em frente a minha escola(Ridgeway). Vi Justin beijando uma garota. Fui andando na direção deles e de propósito esbarrei nela, separando o beijo.

Garota:Tá pensando que é quem?
Justin:Selena?
Garota:Vocês se conhecem?
Eu:Cala boca, seja lá quem você for.
Justin:Essa é a Miley.
Eu:Oi, Miley.
Miley:Olha, por que você não dá meia volta e sai?
Eu:Porque eu não quero.
Miley:Você tem que querer alguma coisa?
Eu:Aham.
Miley:Você tem que me obedecer.
Eu:Por quê?
Miley:Eu sou Miley Cyrus, querida
Eu:E daí?
Miley:Quem não me conhece?
Eu:Eu.
Miley:Pois devia, flor.
Eu:Tenho cara de planta?
Miley:Olha só. Eu estou tentando beijar o meu namorado.
Eu:Continue.
Miley:Como?
Eu:Por acaso eu estou segurando sua boca?
Miley:Não.
Eu:Então, continua, amor. - falei irônicamente
Miley:Tá legal! - puxou Justin e o beijou mais rápidamente largou - Viu?
Eu:Não. Sua esquisita.
Miley:Por quê?
Eu:Por que eu iria querer ver você beijando o Justin?
Justin:Porque você ainda gosta de mim.
Eu:Não, não.
Justin:Lembra que eu disse que eu queria mudar e você disse pra eu não fazer isso porque gostava de mim do jeito que eu era?
Eu:Sim, lembro.
Justin:Então.
Eu:Você mudou. Não gosto mais de você.
Justin:Você não pode deixar de gostar de alguem tão rápido.
Eu:Tem mais de um mês, Justin.
Justin:Não importa.
Miley:Biebs, vamos sair daqui?
Justin:Claro. - sorriu sarcásticamente pra mim saindo.
Eu:Biebs? - perguntei pra mim mesma franzindo a testa, confusa

Entrei e fui para a sala de aula. Tinha 5 pessoas lá. Sentei na primeira fileira e fiquei quieta. Chegou um garoto e se sentou ao meu lado.

Eu:Oi. - olhei para ele
Xx:Oi. Eu sou Nick. - estendo a mão pra mim
Eu:Nick. - apertei a mão dele
Nick:Você é? - apoiou na mesa entrelaçando os dedos
Eu:Selena.
Nick:Então, Selen... - interrompido
Eu:Me chama de Selly ou Sel.
Nick:Selly, qual é seu tipo de música preferida?
Eu:Gosto de Pop - peguei o livro de história na minha bolsa e coloquei na mesa - Na verdade, prefiro Rock. E você? - olhei pra ele.
Nick:Gosto de todo tipo de música. - olhou pra traz com cara de preocupado.
Eu:Quem são? - olhei para o pessoal que estava conversando lá atrás.
Nick:Não são nada bons.
Eu:Por quê?
Nick:Sabe a turminha da pesada? - franziu a testa
Eu:Sério? - arqueei as sobrancelhas.
Nick:Muito sério.
Eu:Eles mexem com coisas ruins?
Nick:Jura? - deboxou indiscretamente
Eu:Depois você pode me mostrar a escola?Sou novata. - deslizei um lábio no outro
Nick:Tudo bem, mas você descobriria a escola inteira só hoje, porque é muito pequena. - sorri, encarando-o
Eu:Então, sabe se a professora veio?
Nick:Ela nunca falta. - ficamos sem assunto e então ficavamos nos olhando o tempo todo. - Então, quer sair?
Eu:Como? - difarçadamente sorri
Nick:Ah!Não é nada demais. Só perguntei.
Eu:Eu adoraria, Nick.
Nick:Então tá. - ficamos sem falar por uns instantes, mais Nick quebrou o silêncio. - Quando?
Eu:Amanhã? Às 8:00?
Nick:Me dá seu endereço.
Eu:Tá.

Sem perceber, já tinha se passado 20 minutos que estavamos conversando. Somente naquele momento me liguei que a professora tinha faltado, mais não comentei sobre o assunto, e continuei conversando com Nick. Os dias foram passando, e todos os dias eu saia com Nick. Estava começando a me interessar por ele, pois Nicholas me fazia feliz. 2 semanas depois, na escola...

Nick:Selly, eu não quero estagar nossa amizade.
Eu:Como assim? - me fiz de desentendida, mesmo sabendo onde ele queria chegar
Nick:Eu estou gostando de você.
Eu:Nick, olha... - interrompida
Nick:Desculpa, eu perdi a cabeça. É porque você fica o tempo inteiro comigo, e eu me sinto feliz com você, e... - interrompi
Eu:Eu também estou gostando de você, Nick.
Nick:O que? - assustado, pegou nas minha mãos.
Eu:Eu também estou gostando de você. - sorri
Nick:Você me faz feliz, Sel.
Eu:Você também me faz muito feliz, Nick. - Nick encarou os meus lábios e me beijou.

Me senti nas nuvens, desta vez, eu tinha certeza de que estava gostando dele. Esqueci todos os meu problemas naquela hora, porque Nick era tudo que eu pensava naquele momento. Mesmo sem querer, separei o beijo.

Nick:Desculpa.
Eu:Por que?
Nick:Eu não sou assim. Sou tímido.
Eu:Nick, fica tranquilo. Foi apenas um beijo.
Nick:É verdade, não tem porque eu ficar preocupado. - suspirou.
Eu:Isso foi...
Nick:Bom.
Eu:Fato. - peguei meu celular para olhar a hora
Nick:Tem algum compromisso?
Eu:Não, nem tenho. Só queria saber a hora.
Nick:E que horas são?
Eu:15:30
Nick:Droga! - colocou a mão na cabeça.
Eu:O que? - franzi a testa
Nick:Eu tinha que fazer um teste.
Eu:Sobre?
Nick:Música.
Eu:Você é apaixonado por música.
Nick:Muito. - colocou sua mochila nas costas - Acho que ainda dá tempo. - saiu correndo, sem dizer nada.
Eu:Espera... - tentei me despedir mais não deu tempo. - Ok! Vamos pensar em outra coisa além do Nick. - resmunguei sozinha.

Fui para o pátio, onde Justin estava com Miley. Senti um leve ciúme, mais começei a pensar no Nick, e a sensação de posse passou. Miley saiu e passou esbarrando em mim, mais ingnorei, apenas a olhando. Parei de pensar no Nick e começei a pensar no Justin. Estava dividida entre os dois. Justin fazia meu coração bater mais rápido e Nick me fazia sorrir. Não sabia o que fazer, não sabia pra quem eu devia dar uma chance, e então fui falar com Justin. Chegou uns caras e me empurrou no chão. Depois seguraram Justin e começaram a socar ele. Justin se debatia e eles o socavam mais ainda. Justin desmaiou.

Continua...

31 de maio de 2012

*--* Heey

Reações: 
0 Anjinhas me deram motivos pra sorrir
Mudei algumas coisinhas na história, espero ter melhorado. Vou dar uma prévia rápida do 2º capítulo, e vocês, pleaase comentem para eu sabe se gostaram. A prévia vai ser com algumas cenas, que serão as mais
lindas e interessantes do capítulo.
Agradeco as meninas que gostaram do 1º capítulo e seguem meu blog e  vocês são demaaix ..  florees, ameei mt os elogios, tanks.

Kisses 
Espero que gostem do ajustes do segundo capítulo

26 de janeiro de 2012

Capítulo 1 - Problemas

Reações: 
7 Anjinhas me deram motivos pra sorrir




#PorSelena

Seattle - 24 de dezembro - 21H00

Pai:SAI DA MINHA FRENTE, GAROTA! - gritou e me empurrou.
Eu:NÃO ME EMPURRA, DROGA! - gritei abrindo a porta.
Mãe:Selena! Não sai de casa, filha. Por favor.
Eu:(respirei fundo, fechei a porta e me encostei na parede)Tá bem. - disse olhando pra minha mãe.
Mãe:E você, Brian...  - disse olhando pro meu pai - Para de gritar com a menina!

Meu pai apenas bufou e subiu as escadas. Minha mãe me olhou e eu sorri pra ela, que sorriu de volta e foi pra cozinha. Me sentei na escada e fiquei pensando em como meu natal seria uma droga. Fiquei lá por vários minutos, enquanto ouvia meu pai berrar no telefone e minha mãe mechendo em panelas na cozinha. A campainha tocou, me levantei e atendi.

Eu:Oi, Demi.
Demi:Hey! - disse entrando e logo depois eu fechei a porta - O que vai ter pra comer?
Eu:Só comida típica de natal.
Demi:Wow... parece que vocês estão mesmo no espirito natalino.
Eu:Por mim não tinha nem ceia. - sentei no sofá
Demi:(se sentou a meu lado)Você não pode estragar seu natal, nem sua vida, por causa de uma coisa boba assim, Selena.
Eu:Tá falando de quê?
Demi:Tá na cara que esse mal-humor é por causa do seu pai.
Eu:E é mesmo. Mas eu tenho motivos, né?! Ele me odeia, Demi. Se nem meu pai consegue me amar, quem é que vai conseguir?
Demi:(bufou)Já tô ficando cansada dessa sua chatisse emo, Selena. Para de ser amarga. - disse aumentando a voz.
Eu:Ah, quer saber, Demi? - respirei fundo - Eu não quero passar o natal em casa.
Demi:O quê?
Eu:Eu quero dormir, ouvindo o som da chuva e dos pássaros no jardim. Só isso.
Demi:Por quê?
Eu:Porque eu odeio incomodar. E isso vai ser a única coisa pra qual eu vou servir nesse natal.
Demi:Para com isso. - disse aumentando mais o tom de voz.
Eu:Demi, abaixa o tom de voz.
Demi:Eu realmente não entendo o que você quer.
Eu:Quero ser feliz. E essa é uma das coisas que meu pai não vai me dar, a felicidade.
Demi:Ele quer seu bem.
Eu:Jura? - disse indiferente
Demi:Selena, eu tô cansada de ficar falando a mesma coisa.
Eu:Eu não quero passar o natal perto dele.
Demi:Por quê?
Eu:Porque eu vou acabar estragando a ceia.
Demi:Por que você iria estragar a ceia?
Eu:Porque sim, porque... - Demi me interrompeu
Demi:Você tem medo do seu pai. Tem medo do que possa sair da boca dele. É por isso que você quer sair agora.
Eu:Você não sabe o que eu penso.
Demi:Eu sei, sim. - disse alterando seu tom de voz.
Eu:NÃO SABE! - gritei apontando o dedo na cara dela.
Demi:Selena! Eu achava que você era forte.
Eu:Eu sou.
Demi:Não é.
Eu:(levantei)Demi, porque você não vai embora? - apontei a porta
Demi:Tá me expulsando?
Eu:Eu quero paz.
Demi:Nunca vai ter paz desse jeito. - abri a porta e a olhei impaciente - Bom natal - saiu e puxou a porta.

Me sentei no sofá e fechei os olhos. Só escutava o barulho do vento, dos pássaros, de carros passando na rua e outra das discussões dos meus pais. Pensando em um jeito de fazer tudo aquilo acabar. Me levantei e fui para a cozinha, onde meus pais discutiam.

Eu:Pai... - chamei e respirei fundo.
Pai:QUE É?
Eu:Quero te pedir uma coisa.
Pai:Não vou te dar nada.
Eu:Preciso muito mesmo falar com você.
Pai:Não tenho nada pra falar com você.
Eu:Mas eu tenho.
Pai:Por que não vai passar o natal com sua amiguinha? - senti um aperto no meu coração quando ouvi isso e meus olhos encheram de lagrimas, enquanto eu o olhava fixamente.
Mãe:Max, você não sabe o que está dizendo.
Pai:Eu só não quero ela aqui comigo. - disse com a voz mais elevada que o normal.
Mãe:Então quer que sua filha saia de casa no natal? - perguntou incrédula, encarando meu pai.
Pai:Pra que querer o bem dela? Adolescentes só servem pra atrapalhar nossa vida emocional e financeira.
Mãe:Ah! Agora sua filha é um problema?
Pai:Exatamente. E você sabe que eu não queria filhos, Mandy.
Mãe:Tem noção da idiotisse que está falando?
Pai:Eu sei muito bem o que estou falando.

Me desliguei do mundo, ouvindo a discussão de longe. E, dessa vez, o motivo era ainda pior; discutiam por minha causa. Não sabia o que fazer, não sabia o motivo do meu pai me odiar tanto.

Mãe:Você é quem devia ir embora, Brian!
Eu:Parem, por favor. - uma lágrima escapou de um dos meus olhos.
Mãe:Não se mete, por favor, Selly. Eu sei lidar com seu pai, fica tranquila.
Eu:Eu não aguento mais isso.Por que vocês brigam tanto?Não percebem que isso só faz minha vida ser ainda pior? - limpei as lágrimas.
Pai:Então procura outra família. Boa ideia, né?! Quem sabe desse jeito você fica satisfeita...

Não conseguia esconder o quanto eu amava essa pessoa que tanto me odiava. Não conseguia segurar o que estava sentindo. Eu nem mesmo sabia o que eu estava sentindo.

Mãe:Cala a boca, Brian! Será que você só escuta na base da grosseria?

Engoli seco e saí correndo daquele lugar. Corri pelas ruas desertas, com lágrimas nos olhos. Previsava de um ombro amigo, alguém pra desabafar. Corri para a casa da Demi, onde bati na porta desesperadamente enquanto gritava o nome dela. Quando ela abriu a porta, a primeira coisa que fiz foi abraçá-la

Demi:Selena, o que tá acontecendo? - perguntou preocupada fechando a porta
Eu:ME AJUDA. - a abraçei enquanto chorava loucamente.
Demi:O que foi?
Eu:Eu não aguento mais, Demi. - respirei fundo
Demi:Selena, o que aconteceu?
Eu:Ele acha que eu sou um problema.
Demi:Como assim?
Eu:Ele me odeia.
Demi:Ele não sabe o que está dizendo.
Eu:Você acha? - fui ironica
Demi:Selena. Ele só está passando por uma fase difícil.
Eu:Mas isso não é minha culpa.
Demi:Pode ser que seja, sim.
Eu:Não acredito que você está defendendo aquele doente.
Demi:Você é quem está ficando doente.
Eu:O quê?
Demi:Você adora ter razão, Selena.
Eu:Você tá mesmo do lado dele? - perguntei ficando irritada.
Demi:Eu não tô do lado de ninguém.
Eu:Ah, está. Do lado dele.
Demi:Por que me procurou, hein?
Eu:Demetria!
Demi:Você pode ir embora agora. E não volta mais, se for pra ficar me julgando.
Eu:O que é isso? É vingança, né? Pelo o que eu fiz mais cedo?
Demi:Eu só quero paz, Selena.
Eu:Olha como você está sendo infantil, Demi.
Demi:Eu, infantil? Você foi infantil me expulsando da sua casa daquele jeito.
Eu:Sabe que está sendo uma perfeita idiota, não sabe?
Demi:Ah! Agora eu que sou idiota?
Eu:Não sei se quero mais sua companhia.
Demi:Como? - perguntou incrédula, já chorando.
Eu:Não dá pra ficar com alguém que está contra mim.
Demi:Não estou contra você, Selena!
Eu:Você está do lado do meu pai.
Demi:Não, não estou.
Eu:Você tá, sim.
Demi:Quantas vezes vou ter que dizer não?
Eu:Você nunca foi de dizer a verdade, não é?
Demi:O que tá insinuando?
Eu:Pra bom entendedor, meia palavra basta.
Demi:Pensei que odiasse frase feita.
Eu:Ah! Cala a boca.
Demi:Você não é a Selena que eu conheço.
Eu:Eu cresci.
Demi:Não devia ter mudado.
Eu:Eu faço o que eu quero na minha vida.
Demi:O quê?
Eu:Eu só queria alguem pra me ajudar. - Demi sorriu sarcasticamente.
Demi:Então esse alguém que você diz, não sou eu.
Eu:Eu não acredito que está fazendo isso.
Demi:Pode me dar licença? - abriu a porta e eu saí - Só não me procure mais.
Eu:Pode ficar tranquila... Não preciso de você, Demetria.

Saí e bati a porta. Enquanto chorava, escutava os resmungos dela. No caminho da minha casa, lembrava de momentos bons que vivi com ela. Não conseguia me conformar que perdi a coisa mais valiosa que eu tinha naquele momento. Percebi que era verdade aquela coisa que sempre diziam... "Só damos valor quando perdemos". Tinha a prova de que amizade verdadeira existe. Quando cheguei em casa, abri a porta e entrei assustada com aquilo que vi. Brian agredindo minha mãe.

Eu:PAI! - desesperada corri e empurrei ele na parede.
Pai:CALA A BOCA! - me empurrou forte no chão.
Eu:NÃO ENCOSTA NA MINHA MÃE! - disse me levantando.
Pai:O que você quer, bonitinha? - disse rindo e ironicamente.
Mãe:(se levantou)Não faz nada, Selena!
Eu:Como não? - disse incorfomada
Mãe:Filha, eu... - interrompida por um soco que meu pai deu na sua cara
Eu:Você é doente...

Pulei em cima dele. Enquanto minha mãe se levantava, eu tentava segurar meu pai. Minha mãe me puxou e me jogou no sofá, pois ela não queria que eu sofresse o que ela sofria.

Pai:As duas se meteram com quem não devia.
Eu:Psicopata. - disse me levantando
Mãe:Não ouse encostar um dedo nela. - disse aflita
Pai:Vocês já eram. - sussurrou rindo sarcasticamente
Mãe:Afaste-se - me disse preocupada
Eu:Pai... - o chamei chorando e insegura
Pai:Selena... - ironicamente me respondeu
Eu:Você faz parte da minha história, me fez feliz, me decepcionou, me deu vida. Tudo isso faz parte do que eu vivi, tudo... Mesmo sabendo que você não é mais o mesmo, eu te amo e isso não vai mudar. Só espero que não se arrependa de tudo que você está fazendo. Aliás, você não vai ter ninguem do seu lado...
Pai:CALA A BOCA! Você quer me comover, me fazer mudar de idéia. Não vai consegui. Eu sei qual é o seu joguinho idiota.

Eu fiquei encarando os olhos azuis de Brian- aquele que se dizia meu pai - enquanto via pelos cantos dos olhos minha mãe andando na direção da porta. Tentava enrolar Brian pra ele não descobrir o que pretendiamos fazer. Minha mãe abriu a porta e eu tentei correr para rua. Brian foi atrás e conseguiu alcançar minha mãe e eu não podia deixa-la. Voltei e fiquei frente á frente com meu pai, com um olhar ameaçador.

Eu:Você não vai desistir, né? - disse brava
Mãe:Vai embora, Selena. - falou chorando e desesperada
Eu:Brian!
Brian:Não me chame de Brian, ouviu?
Eu:Não tenho ouvidos pra você.
Brian:Quem te deu a liberdade de me desafiar?
Eu:Você mesmo.
Brian:Eu?
Eu:É. E eu não to nem aí para o que você pensa. Pra mim, você não existe.

Pela primeira vez desafiei meu pai. Brian soltou minha mãe e me olhou bravo. Eu não estava segura de que desafia-lo era uma boa ideia, mais estava segura de que aquilo que eu estava fazendo era bom, pra mim.

Mãe:Filha, nunca mais faça isso - disse se aproximando
Eu:Eu não tenho medo. Não sou disso. - falava com minha mãe olhando fixamente para Brian.
Mãe:Vamos. - me pegou pelo pulso e saiu me puxando para fora de casa.
Eu:Espera... - segurei a porta - Esqueci um coisa. - entrei novamente. - Me dá sua mão. - disse para Brian, que estendeu a mão e eu puxei a aliança de casamento dele. Saí, bati a porta e arremessei a aliança para rua.

Mãe:Quem tem a melhor filha do mundo? - perguntou sorrindo discretamente
Eu:Você? - ri envergonhada.

Minha mãe e eu saímos e fomos para uma lanchonete. Comememos e ficamos conversando sobre a vida. Eu levantei e fui pagar a conta no balcão. Peguei o dinheiro e quando olhei pra cima. Fugi do mundo, parecia que só tinha eu e o gatinho que me atendeu.

Xx:O que vocês pediram?
Eu:2 cheeseburguers e um refrigerante de 600 ml.
Xx:Então é R$ 12,50.
Eu:Jura?
Xx:Um desconto por simpatia. - apoiou no balcão e sorriu olhando pra mim
Eu:Assim você me deixa sem graça. - sorri envergonhada
Xx:Eu sou Justin. - estendeu a mão
Eu:Olá... Justin! - peguei na mão dele
Justin:Você é? - puxou a mão
Eu:Selena. - ri olhando dentro dos olhos dele
Justin:Você é bizarra. - eu levantei a sobrancelha com um olhar indiscreto
Eu:Como?
Justin:Bizarra de um jeito bom, mas bizarra.
Eu:Não entendi.
Justin:Seu cabelo, sua roupa. - disse, me fazendo rir pela primeira vez em muito tempo - Saca?
Eu:Mais ou menos. - me apoiei no balcão - Tem um motivo pra esse estilo.
Justin:Posso saber?
Eu:Não. - respondi seca, ríspida, sem pensar.
Justin:Uau! - riu - Você é tão...
Eu:Seca? - sorri - Meu estilo é esse. - dei de ombros e sorri de canto.
Justin:Não era bem isso que eu ia dizer. - eu bufei
Eu:Só não quero lembrar daquilo tudo, quando tenho coisas muito melhores pra fazer. - mandei uma indireta olhando indiscretamente nos olhos castanhos dele.
Justin:Posso pelo menos tentar adivinhar?
Eu:Como quiser.
Justin:Seu pai?
Eu:Nossa. Que rapidez.
Justin:Eu acertei?
Eu:Na mosca.
Justin:Eu sei que você ta muito feliz agora, mais pode me contar?
Eu:Justin, eu acabei de te conhecer.
Justin:Verdade. Que tal me conhecer melhor?
Eu:Tá me chamando pra sair? - desapoiei do balcão e cruzei os braços.
Justin:Entenda como quiser.
Eu:Ok.
Justin:Não vou precisar insistir?
Eu:Uma das coisas que você precisa se acostumar.
Justin:O quê? - perguntou impaciente
Eu:Vem. - saí andando em direção a minha mãe
Justin:Aonde? - veio atrás de mim
Eu:Mãe, este é o Justin. - disse olhando a minha mãe e apontando para Justin.
Justin:Olá senhorita.. - me olhou envergonhado
Mãe:Mandy.
Justin:Mandy.
Eu:Já que se conheceram. Vamos. - peguei no pulso de Justin e sai puxando até a rua
Justin:Estou no horário de trabalho
Eu:Adoro quebrar regras. - dei um sorriso sínico

2 horas depois

Eu:Natal... 2:00 da manhã...
Justin:É...
Eu:Tenho saudade da minha familia.
Justin:Falando em familia... - olhei cinicamente pra ele
Eu:Falando em familia... - imitei Justin com uma voz fina
Justin:Me conta sobre seu pai.
Eu:Não vai esquecer isso?
Justin:Não. - respondeu seco
Eu:Tudo bem.
Justin:Fala.
Eu:Brian e eu nunca tivemos uma boa relação. Ele sempre me odiou. Mas chegou a um ponto dele agredir a minha mãe. Então... só tenho que lamentar por ele estar perdido.
Justin:Como acha que ele está passando o natal?
Eu:Daria tudo pra saber.
Justin:Será que ele gostaria de te ver namorando?
Eu:Não, e eu não to namorando. - Jake levantou uma sombracelha - Se isso é um pedido pode esquecer.
Justin:Sele... - interrompido
Eu:Justin, já falei.
Justin:Olha, Selena...
Eu:Eu não quero namorar agora, depois de tudo que eu passei não quero mais "dor de cabeça" por ... - Justin foi se aproximando - Não me beija! - me afastei e o empurrei com a mão.
Justin:Eu tô indo.
Eu:Tá legal, se eu for sequestrada a culpa é sua.
Justin:Não vai ser sequestrada. - saiu

Ri sozinha por alguns segundos. Fiquei pensando em como ele era fofo. Justin era tudo, mais eu não queria ser desesperada. Mesmo estando desesperada. Só não queria um namorado naquele momento. Fui encontrar minha mãe no restaurante em que estavamos. No caminho, esbarrei com quem não devia...

Eu:Me descul... - olhei para cima - Logan?
Logan:Selly, que surpresa maravilhosa.
Eu:O que você quer? - perguntei brava
Logan:Eu não quero nada... quer dizer, não queria.
Eu:Sai da minha frente.
Logan:Saudade do seu beijo.
Eu:Eu conheço um psicologo que pode te ajudar.
Logan:O quê?
Eu:Você tá louco, é a única explicação.
Logan:Por você. - foi se aproximando
Eu:Não encosta um dedo em mim. - dei um passo pra trás.
Logan:Jura? - se aproximou.
Eu:Se der mais um passo eu faço um escândalo.

Logan segurou meu braço com força e me jogou pro lado. Eu não sabia o que fazer e fiquei olhando pra ele sem me mover.

Logan:Faz isso e eu conto tudo que eu sei sobre sua vida. - empurrei-o com minha mão direita
Eu:Conta, idiota. - Logan me encarou - Conta o que você sabe sobre minha vida que eu conto tudo que você fez comigo.

Continua..

Sou nova nisso, e por isso não sei se tá bom. Curti e comenta please... Preciso da ajuda de vocês pra ficar mais "experiente" (risos).

Espero que tenham gostado!
Kisses!!!!!
 

Entre Amor e Ódio Copyright © 2011 Design by Ipietoon Blogger Template | web hosting